Startup que ajuda empreendedores a atuar como mercadinho de bairro recebe aporte milionário


| CM News | Fonte: SA Varejo
Em

Startup que ajuda empreendedores a atuar como mercadinho de bairro recebe aporte milionário
Imagem: Divulgação

A startup Favo acaba de receber R$ 141 milhões em aporte financeiro, numa rodada liderada pela Tiger. FJ Labs, H20, MAS Capital e os investidores que deram o capital semente acompanharam a rodada que também inclui o fundador do Nubank, David Vélez, e Kevin Efrusy, um dos primeiros investidores do Facebook.

A empresa funciona da seguinte maneira, a partir do momento em que se torna um parceiro, a pessoa cria o seu próprio mercado online, com produtos mais baratos do que os mercados convencionais.

A plataforma permite ao empreendedor divulgar seu mercado com as ofertas e promoções para os seus vizinhos, que acessam a plataforma, fazem a escolha do produto e realizam o pagamento. Já no dia seguinte, o dono do negócio recebe os pedidos em sua casa, faz a separação e faz a entrega para seus vizinhos.

A proposta de criar uma companhia ancorada nas comunidades de compras começou a tomar forma depois de viagens do fundador Alejandro Ponce à China, onde conheceu o modelo. Quando voltou ao Brasil em busca de investidores, os fundos recomendaram Marina Proença, que foi COO da ClickBus, site de compra de passagens de ônibus.

Juntos, os dois lideram a construção da Favo, que também atua no Peru e nos próximos meses deve desembarcar no México. “É um negócio de disrupção logística. O pilar nem é o ‘last mile’, mas o quarteirão”, diz Proença.

A Favo desenvolveu um software próprio para a gestão do centro de distribuição (CD) localizado em Osasco, na Grande São Paulo. Do CD, os produtos vão para a casa de um representante que faz a conexão com os vizinhos.

O diferencial da Favo é justamente o representante – ou empreendedor, como a startup prefere chamar as mais de 10 mil pessoas que funcionam como seu ponto focal nos bairros. “Pagamos uma comissão de 7,5% para o empreendedor. É uma renda extra que para muitos acabou virando a renda principal”, diz Proença.

Cada empreendedor recebe um link do seu mercado Favo. Diariamente, a Favo entrega os produtos encomendados na casa dos representantes na manhã do dia seguinte. O empreendedor se encarrega da entregar na ponta.

A Favo não revela o faturamento, mas vem crescendo 30% ao mês. Depois de se espalhar pelo município de São Paulo, o próximo passo é chegar ao interior paulista.

 

Leia também: Projetos sergipanos são aprovados em edital nacional voltado ao semiárido brasileiro

Compartilhe :