Aluguel pode ser reajustado em 33,83% em agosto


Marcela Araujo | CM News |
Em

Aluguel pode ser reajustado em 33,83% em agosto
Bairro 13 de Julho - Aracaju/SE - Imagem: Divulgação

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) é o indicador utilizado no reajuste de contratos de aluguel no Brasil. Sempre que um contrato faz aniversário, o proprietário do imóvel pode ajustar o valor de acordo com o IGP-M e realizar o cálculo através da multiplicação do valor atual do aluguel pelo índice acumulado no período de um ano. Em julho de 2021, este índice variou 0,78%, acumulando alta de 15,98% no ano e 33,83% em 12 meses. 

Isto quer dizer que os contratos que completam aniversário neste mês de agosto podem sofrer reajuste de até 33,83%. Por exemplo, se o inquilino paga R$ 1.000 de aluguel, ele poderá passar a pagar R$ 1.338,30. Dados são da Fundação Getúlio Vargas

O empresário Jorge Santos, proprietário da Cohab Imobiliária, explica que o aumento do IGP-M foi puxado pelo momento de crise econômica que o Brasil enfrenta. “Há um desequilíbrio de quase todos os índices, pois os preços do mercado subiram desenfreadamente”, relata. 

De acordo com Jorge, no âmbito dos contratos de aluguel, o que tem imperado é a livre negociação. “Pela lei, o aluguel é renovado pelo IGP-M, porém, diante da situação econômica atual, é muito comum que inquilino e proprietário negociem o aumento e o papel da imobiliária é intermediar este acordo”, conta. 

De fato, a negociação pode ser a melhor alternativa, pois uma desistência de renovação nos contratos de aluguel gera gastos para ambos os lados. “No caso de um imóvel comercial, o inquilino realizou reforma e adaptou o imóvel para o seu negócio. Abandonar o espaço e pagar por mudança e por uma nova reforma pode não ser viável. Já no caso do proprietário, ele também terá gastos com a evasão, pois precisará assumir o IPTU, taxas de condomínio, entre outros custos. Por esses motivos, a negociação tem sido muito bem aceita e tem funcionado em quase todos os casos”, completa Jorge Santos. 

 

Leia também: O que mudou no modelo empresarial de trabalho com a pandemia?

Compartilhe :