Presidente do Sebrae defende manutenção do Simples Nacional


O presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos, participou nesta segunda-feira (10), no auditório da Fundação Getúlio Vargas, em São Paulo, do seminário “Debatendo a Reforma Tributária: Equidade, Inovação e Competitividade”, com especialistas renomados no assunto. Presente no evento, o deputado federal Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR), relator da Comissão Especial da Câmara que analisa a chamada PEC da Reforma Tributária (nª 293/2004), apresentou a versão mais atualizada do projeto em trâmite no Congresso. A comissão tem a expectativa de votar a reforma ainda neste ano.

“Se fosse simples, a reforma tributária já teria sido feita há muito tempo, mas sabemos que vamos enfrentar uma batalha muito dura. O grande enfrentamento será contra as grandes corporações, cada uma defendendo o direito de gerar burocracia”, discursou Afif. “Quanto mais simples formos, maior capacidade teremos de gerar justiça tributária. Nesse mundo digital, não podemos mais ter um sistema analógico”, analisou.

A PEC da Reforma Tributária prevê um novo sistema com um imposto de renda federal, um imposto sobre valor agregado e um imposto seletivo estaduais (mas com legislação federal), e impostos sobre o patrimônio municipal (alguns com legislação federal). A medida não prevê a redução da carga tributária atual. “O sistema tributário brasileiro é o maior responsável pela injustiça social do país”, disse Hauly no seminário.

Presidente da Finep, o economista Marco Cintra criticou a proposta questionando a base tributária adotada, no caso, para os produtos. Autor da ideia do imposto único que levou à adoção no Brasil da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), Cintra considera usar a movimentação financeira como base mais moderna e assertiva. “O país é o que mais tributa o consumo no mundo”, disse. Já a advogada e professora do Insper, Lucilene Prado, destacou a necessidade de atacar o contencioso do sistema de tributação atual, na ordem de R$ 3 trilhões (valor dos impostos cujo pagamento são questionados na Justiça). “Devemos construir um sistema que consiga dar resposta rápida às necessidades da população”, afirmou.

 

Fonte: Sebrae

Anterior Inspeção de bagagem de mão de passageiras pode ser feita só por mulheres
Próximo Mais de 180 startups concorrem ao Ciclo Lisboa, do StartOut Brasil

Não há comentário

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *