Poupança da Caixa registra captação líquida de R$ de 4,7 bi em dezembro de 2016


Redução da Taxa Selic aumenta atratividade da poupança

Os depósitos em Caderneta de Poupança na Caixa registraram captação líquida positiva de R$ 4,7 bilhões em dezembro de 2016, com crescimento de 275% em relação ao mês de novembro. A Poupança encerrou o ano com saldo de R$ 249 bilhões, que representa 37,5% de todo o saldo de poupança do mercado bancário e, em dezembro de 2016, a captação líquida no banco representou 44,1% da captação líquida de poupança do mercado, que foi de R$ 10,6 bilhões.

Para o vice-presidente de Produtos de Varejo da Caixa, Fábio Lenza, “a atratividade da Poupança da Caixa está, principalmente, na facilidade de acesso e segurança que oferece aos poupadores, sendo uma ótima opção para quem quer realizar um sonho como a compra de um carro, pagar a faculdade dos filhos, ou até realizar uma viagem. Com as perspectivas de queda da Taxa Selic, a sua atratividade passa a ser ainda maior”, comenta Lenza.

Por ser um dos investimentos mais seguros e simples do mercado, a poupança é indicada para qualquer tipo de investidor pessoa física. Entre suas vantagens, destaca-se a isenção de Imposto de Renda e a liquidez imediata, ou seja, o cliente pode realizar saques a qualquer momento que precisar. Atualmente os valores depositados são remunerados com base na Taxa Referencial (TR), acrescida de juros de 0,5% ao mês.

Em virtude da isenção de impostos, a rentabilidade da poupança, a depender do valor e do prazo, pode ser maior que outros investimentos de renda fixa como CDBs e fundos de investimentos. Veja no gráfico abaixo a comparação de um investimento de R$ 1.000,00, feito pelo período de seis meses.

A aplicação de R$ 1.000,00 em um fundo de renda fixa com rentabilidade bruta igual a 100% do CDI e taxa de administração de 2,5% resultou nos últimos seis meses em uma rentabilidade menor do que a da poupança, assim como um CDB com rentabilidade de 78% do CDI apresentou pior resultado quando comparado à caderneta. Isso porque esses investimentos possuem tributos e, no caso dos fundos, também taxa de administração.

A comparação entre os investimentos varia conforme as oscilações da taxa de juros, ou seja, em um período de tendência de queda da taxa básica de juros, a atratividade da poupança tende a aumentar, conforme simulação abaixo:

Simulação de rentabilidade, com taxas de juros DI de 10, 11 e 12% a.a.

Ascom Caixa Econômica Federal

 

Anterior CNI: Acordo entre Mercosul e bloco de países europeus pode beneficiar 322 produtos brasileiros
Próximo Netflix fechou 2016 com 93,8 milhões de assinantes

Não há comentário

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *