Piauí decreta estado de emergência com caso de Peste Suína Clássica


O Estado do Piauí registrou o primeiro caso de Peste Suína Clássica (PSC) que ocasionou a morte de sete leitões menores de três meses, levando o estado a decretar, nessa segunda-feira (8/4) estado de emergência zoossanitária em Lagoa do Piauí, município onde ocorreu o caso. A confirmação do caso foi divulgada em nota técnica do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

De acordo com a nota do Mapa, a investigação realizada pela Agência de Defesa Agropecuária do Piauí (Adapi), como parte do sistema de vigilância das doenças hemorrágicas dos suínos, identificou as mortes nos sete leitões em uma propriedade de criação extensiva. Os animais apresentavam sinais de fraqueza, febre alta e paresia de membros posteriores.

Em nota oficial, o governo do Estado do Piauí informou que “medidas específicas para a contenção e eliminação do agente viral estão sendo tomadas para evitar a disseminação a outras áreas do Estado”.

Interdição

Dessa maneira, ficam interditadas todas as propriedades rurais e outros estabelecimentos com suínos e produtos que representem risco para manutenção ou difusão da doença localizada na área de emergência zoossanitária de onde está proibida a saída de suínos e demais produtos de risco”, diz a nota.

Desde outubro do ano passado, houve a confirmação de 44 focos de PSC no Brasil, sendo todos no Estado do Ceará, que também está fora da zona livre da doença.

Segundo o Mapa, a zona livre de PSC do país concentra mais de 95% de toda a indústria suinícola brasileira. Cem por cento de toda a exportação de suínos e seus produtos são oriundos dessa zona, integrada pelo Distrito Federal e 15 estados (RS, SC, PR, MG, SP, MS, MT, GO, RJ, ES, BA, SE, TO,  RO e AC). Nessa zona, a última ocorrência detectada de PSC foi em janeiro de 1998. O Ceará não integra a zona livre de PSC.

Como identificar

A Peste Suína Clássica é uma doença que acomete suínos e javalis, altamente contagiosa e se caracteriza por febre alta, lesões avermelhadas na pele dos animais (hemorrágicas) e alta mortalidade. Falta de apetite, fraqueza e animais amontoados também caracterizam sintomas da doença.

Perdas Econômicas

A PSC não oferece riscos à saúde humana, mas traz perdas econômicas para o suinocultor. A notificação de suspeita ou ocorrência da PSC é obrigatória a qualquer cidadão e para todo profissional que atue na área de diagnóstico, ensino ou pesquisa em saúde animal, e deve ser feita o mais rápido possível para evitar a difusão da doença para outras propriedades.

 

Fonte: Globo Rural

 

Anterior Indústria dos EUA cria coalização sobre proteção de dados
Próximo Preços do café ficam abaixo do custo de produção no Brasil

Não há comentário

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *