O preço da globalização


Dilson M. Barreto
Economista

O processo de globalização, em função da evolução dos meios de comunicação e de transportes contribuiu enormemente para a expansão e diversificação do comércio que, aliado ao desenvolvimento tecnológico, permitiu estreitar as relações entre pessoas e países, transformando o mundo numa verdadeira “aldeia global”. Ela vai consolidar e expandir o capitalismo ampliando seus tentáculos em todo o hemisfério, ao ponto de desestabilizar outros modelos econômicos. Como a moral da globalização está assentada no lucro e no poder, seus efeitos são muitas vezes perversos e estimuladores de fortes crises econômicas e sociais. Claro que nessa aldeização mundial, valores e culturas foram afetadas e novas necessidades foram construídas no inconsciente coletivo, estimulando novos hábitos de consumo, novas formas de comportamento, novos valores morais. A velocidade com que as mudanças foram introduzidas nesta “aldeia global” não ofereceu condições suficiente para que muitos países, especialmente os mais pobres, tivessem tempo para realizar a necessária adaptação cultural, decorrendo daí constantes crises. Em consequência, se de um lado a globalização trouxe em seu bojo o estreitamento das distâncias geográficas,  a liberdade de comunicação e a livre movimentação entre os povos de todas as raças e culturas, de outro muito contribuiu também para a proximidade dos conflitos ideológicos e religiosos, pondo em risco, naturalmente, a segurança e gerando incertezas quanto ao futuro, isto porque, para garantir suas defesas individuais, os países passaram a produzir os mais variados e sofisticados tipos de armamentos, além de enxergar no outro um potencial inimigo.

Mesmo que, no entender de muitos estudiosos, a globalização não tenha concorrido para o aumento indiscriminado da desigualdade, todavia ela é responsável por difundir um sentimento de exclusão (daí o crescimento dos movimentos antiglobalização tanto da extrema direita como da esquerda mais radical), evidenciado pelo processo de concentração de renda que se aguça cada vez mais entre a minoria populacional detentora dos 5% da riqueza mundial  e os 50% dos extremamente pobres, como também  entre os chamados países ricos e aqueles classificados como atrasados, subdesenvolvidos ou mesmo miseráveis, gerando mais desemprego e pobreza, tornando o abismo entre pobres e ricos cada vez mais amplo, além de estimular o crescimento da violência urbana e, em muitos casos, ameaçando com a possibilidade de uma maior desagregação social.

As guerras e outros conflitos espalhados pelo hemisfério global, a fome, a miséria humilhante e as doenças endêmicas a que muitos povos estão submetidos, com destaque para os povos africanos,são circunstâncias que impulsionam ainda mais o egoísmo entre os povos, afetando inclusive a liberdade de acesso a outros países e a própria paz mundial. Se de um lado a abertura comercial e as leis do mercado possibilitaram a difusão cada vez maior da oferta de bens e serviços, isto não significa, necessariamente, que essa riqueza tenha sido internacionalmente distribuída, bem como o bem-estar tenha se tornado generalizado. Esse processo de integração inter-racial e entre países ocasionada pela enorme redução dos custos de transportes e eliminação de muitas das barreiras aos fluxos de produtos, serviços e capital, além da própria difusão do conhecimento, é também responsável pela imposição por parte dos países ricos, de normas e regras às nações mais pobres, notadamente no que se relaciona a exigência de liberalização do mercado de capitais,  desregulamentação do sistema financeiro nacional, e da flexibilização das relações trabalhistas.  O movimento internacional de capitais que toma corpo a partir dos anos de 1980, dá ênfase ao chamado neoliberalismo e vai abrir espaço tanto para a entrada de grandes bancos, como também, em maior escala, para possibilitar a livre circulação do dinheiro especulativo, dando efetividade à chamada globalização financeira, contribuindo de certa forma para a instabilidade global e para as grandes crises internacionais. Esta liberalização do capital imposta pelas potências mundiais e defendida ardentemente pelos organismos internacionais, não obstante também suaampla defesa pelos grupos ortodoxos que dominam a economia, não tem demonstrado, até hoje, que sua livre circulação estimule o crescimento econômico dos países atrasados em seu processo de desenvolvimento.

A globalização é em todo o seu contexto, um processo excludente. Conforme avalia o megainvestidor George Soros em seu livro “Globalização” (Editora Campus 2002), “o comércio internacional e os mercados financeiros globais são muito eficazes em gerar riqueza, mas não são capazes de atender a outras necessidades sociais, como a preservação da paz, o alivio da pobreza, a proteção do meio ambiente, a melhoria das condições de trabalho ou a defesa dos direitos humanos”. A fraqueza moral e a incompetência dos governos desses países submetidos às regras opressoras do capitalismo financeiro e ao domínio das multinacionais, não proporciona condições para reverter o processo. Toda a ossatura do sistema capitalista internacional revestida pela ideologia neoliberal, foi concebido “para preservar os mercados financeiros em vez da estabilidade e do bem-estar dos países periféricos”. Por conseguinte, mesmo que a globalização tenha concorrido de alguma maneira para o progresso de muitos países, contudo, sua estrutura básica está voltada para a preservação dos mercados financeiros, pouca atenção sendo dada à estabilidade dos chamados países emergentes e daqueles outros situados na periferia.

A exacerbação do processo de globalização comandada pelos organismos financeiros internacionais e pelos grandes oligopólios multinacionais e sua obsessão pelo lucro, causam sérios problemas sociais aos países dependentes do capitalismo global.Aliado à velocidade com que o capital circula livremente sob a conivência subserviente dos governos nacionais, entre as várias ações que transgridem a ordem e a moral,ele representa também uma agressão à própria soberania das nações. De igual maneira, ao preconizar a redução da capacidade do Estado de intervir na economia cedendo lugar à supremacia do mercado, a globalização, no seu viés financeiro, acentua entre os povos de todo o mundo a desigualdade em termos de distribuição social das riquezas nacionais. É o preço que temos de pagar pelo fundamentalismo do livre mercado.

Anterior ICEI mostra que empresários sergipanos estão otimistas
Próximo Governadores do NE rejeitam condições do Governo Federal para receber recursos de multa da repatriação

Não há comentário

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *