Maratá se destaca no Ranking Brand Footprint, que apontou 50 marcas escolhidas pelos brasileiros


Fábrica Maratá |Foto: Divulgação

Com a diminuição da frequência do consumidor brasileiro aos pontos de venda em 2015, as marcas que cresceram no período o fizeram pela penetração nos lares, de acordo com a 4ª edição do ranking local Brand Footprint, da Kantar Worldpanel. O estudo apontou que houve um crescimento maior entre as empresas nacionais do que globais. A pesquisa apresenta as 50 marcas de bens de consumo não-duráveis mais escolhidas pelos brasileiros no ano de 2015 e usa uma métrica exclusiva, a Consumer Reach Points (CRP).

Entre as top 50 marcas mais escolhidas, 21 aumentaram CRP, 20 cresceram em penetração e apenas 3 tiveram crescimento de frequência, mostrando a penetração como a principal responsável pelo crescimento das marcas. Em 2015, houve uma queda na cesta de consumo brasileira de 7,5% em volume, já em valor ela se manteve estável. A diminuição ocorreu porque o brasileiro deixou de ir ao ponto de venda quatro vezes no ano passado. Em outros casos, em vez de uma frequência menor, marcas mais baratas foram escolhidas pelo consumidor para manter a categoria no carrinho.

No quadro geral, Coca-Cola lidera o pódio, seguida por Ypê e Colgate, na segunda e terceira colocação, respectivamente – mesmo resultado da última edição. O top 10, aliás, sofreu poucas alterações de 2014 para cá: apenas dois novos nomes entraram para o seleto grupo (Italac e Vitarella). A sergipana Maratá é a 19ª marca mais escolhida, à frente de outras marcas muito conhecidas. Das 50 mais compradas, 27 são brasileiras, contra 23 globais. Uma análise mais profunda mostra ainda que 48% das empresas locais que constam no ranking cresceram em penetração, já 11% cresceram em frequência de compra. Entre as marcas globais, os números são mais modestos: 30% obtiveram aumento em penetração e a frequência permaneceu estável.

Entre os casos que se destacaram no ranking, a Seara subiu 16 posições e foi a primeira em crescimento nos quesitos isolados de CRP e penetração. Essa pode ser a resposta ao investimento em reposicionamento no mercado, aliado a uma forte estratégia de publicidade – baseada na nova formulação dos produtos, com menos sódio e apostando na saudabilidade. Além disso, é resultado da manutenção da proteína no prato do consumidor, que opta por uma alternativa de menor preço. A Italac também se destacou ao conseguir alcançar a 8ª posição da lista principal lançando uma nova identidade de marca, modificando as embalagens e expandindo o portfólio.

O crescimento dessas marcas, assim como as de limpeza doméstica Brilhante e Tixan, aponta que, com o cenário econômico desaquecido, as pessoas se valem do custo-benefício na hora de efetuar a compra. O consumidor não deixa a proteína nem o leite de lado, mas procura uma opção mais em conta que também atenda às suas necessidades. Isto pode ser interpretado como indício de trade down: o comprador tem preferido colocar no carrinho marcas mais acessíveis em detrimento das tradicionais, de maior valor agregado.

“Enquanto 2014 foi um ano de incertezas, 2015 consolidou as mudanças no comportamento do brasileiro. Sua renda está diminuindo e para equilibrar seu bolso, os gastos também foram reduzidos, tornando o consumidor brasileiro muito mais racional com suas escolhas de compra. Entretanto, esta razão não quer dizer busca por preços mais baixos apenas, mas sim o melhor custo-benefício possível”, comenta Patricia Beber, Country Manager da Kantar Worldpanel no Brasil.

Lacticínios apostam em “sem lactose” e ganham penetração

Patricia também ressalta que há possibilidade de desenvolvimento para vários setores: “Não são apenas as marcas de preço baixo que encontram espaço para crescer, mas também aquelas que souberam inovar com um benefício claro, como é o caso das marcas de laticínios, que investiram no segmento de No-Lactose e com isso aumentaram seu alcance na população”. Com exceção de Elegê e Itambé, todas as marcas do ramo presentes na lista aumentaram os índices de penetração. Isso mostra que este é um grande momento para os que investiram em extensão de linha para se adaptar a uma nova realidade, em que o consumidor pede por inovação e praticidade.

Sobre o ranking Brand Footprint

O estudo Brand Footprint da Kantar Worldpanel fornece informações baseadas em comportamentos de consumo reais, e não apenas a intenção de compra. A inovadora métrica ConsumerReach Points (CRP) mede quantos lares no Brasil estão comprando determinada marca (penetração) e com que frequência, representando, assim, a verdadeira escolha do consumidor. O ranking nacional está disponível no site www.brandfootprint-ranking.com. Acesse também todas as informações do ranking global, com divisão de setores, além de um índice completo das marcas que estão no Top 50 global.
Confira o ranking das 50 marcas mais escolhidas pelos brasileiros

Rank 2015 Marcas CRP (M) Penetração 2015 Frequência 2015
1 Coca-Cola 526,9 87,3 11,6
2 Ypê 420,6 88,3 9,2
3 Colgate 297,3 88,1 6,5
4 Tang 289,3 71,1 7,8
5 Omo 250,0 75,5 6,4
6 Sadia 246,6 74,2 6,4
7 Qualy 234,6 70,9 6,4
8 Italac 197,6 65,1 5,8
9 Vitarella 192,2 36 10,3
10 Itambé 191,7 59 6,2
11 Nescau 191,7 69,9 5,3
12 Piracanjuba 181,2 58,8 5,9
13 Maggi 179,7 69,1 5
14 Soya 178,5 71,4 4,8
15 Sorriso 173,3 72,1 4,6
16 Miojo 167,8 66,1 4,9
17 Sazón 167,7 60,3 5,3
18 Antarctica Guarana 161,2 65,8 4,7
19 Maratá 158,2 24,7 12,3
20 Bauducco 157,4 64,5 4,7
21 Fanta 152,5 64 4,6
22 Palmolive 152,3 66 4,4
23 Bombril 150,4 72,5 4
24 Seara 149,9 63,8 4,5
25 Marilan 148,2 59,7 4,8
26 Liza 147,7 68,2 4,2
27 Nestle 147,6 70 4,1
28 Panco 139,6 31,9 8,4
29 Quero 136,4 58,5 4,5
30 Knorr 129,8 62,1 4
31 Rexona 124,3 62,2 3,8
32 Limpol 122,0 60,7 3,9
33 Natura 121,4 49,7 4,7
34 Minuano 120,5 58,5 4
35 Hellmann’s 119,9 57,3 4
36 Lacta 115,7 57 3,9
37 Camponesa 115,1 29,4 7,5
38 Tixan 114,9 50,3 4,4
39 Lux 113,1 59,4 3,7
40 Dove 111,6 53,1 4
41 Brilhante 110,0 49,4 4,3
42 Sunsilk/Sedal/Seda 109,4 48,6 4,3
43 Yoki 104,5 53,7 3,7
44 Ninho 104,4 41,9 4,8
45 Perdigão 103,5 55,1 3,6
46 Elegê 103,5 35,2 5,6
47 Richester 101,0 30,3 6,4
48 Toddy 100,6 49 3,9
49 Santa Amália 100,1 26,6 7,2
50 Aurora 99,3 44,5 4,3

 

Anterior Bancos estudam acabar com rotativo de cartão de crédito
Próximo CNI: iniciativa privada pode contribuir decisivamente para a redução do quadro no setor de saneamento

Não há comentário

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *