Governo Bolsonaro: Fim de subsídios desperta crítica entre aliados


O que consta no plano do governo federal é cortar os subsídios ao crédito agrícola. Mas a medida já desperta críticas e muita resistência, até mesmo entre os aliados do governo que ainda não tem 30 dias no poder.

Entre os aliados que não está satisfeito com o corte está o deputado estadual eleito pelo PSL paulista, Frederico D’Ávila  , que também é vice-presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Soja (Aprosoja) e, o deputado discorda da forma como o Tesouro Nacional e o Banco do Brasil prometem desmontar as subvenções. “Não adianta cortar subsídios com a promessa de fortalecer o seguro agrícola sem oferecer algo efetivo substituir o modelo atual. Não é coisa que se faça do dia para a noite.”

No Plano Safra de 2018/2019, a taxa de juro cobrada no Pronamp – um dos principais programas, que atende produtores com renda bruta anual de até R$ 2 milhões – é de 6% ao ano. O porcentual está abaixo da Selic, hoje em 6,5%. “A taxa média de retorno da atividade agrícola varia de 8% a 12%. Não dá para pegar crédito a juro de mercado de 9% ou 10%. Na Europa o juro agrícola é zero e, nos EUA, não passa de 2%”, aponta D’Ávila. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

 

00

Fonte: Isto é

Anterior Governo do Estado incentiva a criação de 29 mil empregos em 2018
Próximo Juros do cheque especial e do rotativo do cartão subiram em dezembro

Não há comentário

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *