Opinião: Ecossistema sergipano de startups entra no radar nacional


Ecossistema sergipano de startups entra no radar nacional e traz consigo desafios

Thiago Noronha o autor desse artigo

Autor do artigo: Thiago Noronha Vieira | E-mail: thiagonoronha@acnlaw.com.br

Advogado. Sócio do Álvares Carvalho & Noronha – Advocacia Especializada (ACNLaw). Pós-Graduando em Direito Empresarial pela PUC/MG. Diretor Jurídico do Conselho de Jovens Empreendedores de Sergipe (CJE/SE). Membro da Escola Superior de Advocacia (ESA/SE).

Existe um verdadeiro frisson no mercado mundial quando se fala sobre startups. Os novos modelos de negócios enxutos, replicáveis, escaláveis e mundiais respondem a um estímulo de mudança na economia global e trazem novos paradigmas do ponto de vista empresarial. O principal deles encontra-se na criação e existência de ecossistemas de inovação. Verdadeiras comunidades vívidas e plurais que congregam diferentes atores sociais, desde estudantes, empreendedores, grandes empresários, instituições, universidades, empresas e estado.

Em recente mapeamento, encontramos uma série de ecossistemas ou comunidades de inovação em doze estados da federação, a saber: Amazonas, Alagoas, Ceará, Goiás, Minas Gerais, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Santa Catarina, Sergipe e São Paulo. A existência destas comunidades, é bem verdade, não é garantia de sucesso das startups que comumente têm uma taxa de mortalidade em torno de 75%1, segundo dados de Lindália Reis, uma investidora anjo que comanda a Ions Inovation.

A alta rotatividade e, sobretudo, a imaturidade de boa parte dos empreendedores que se propõem a criação de startups no Brasil trazem grandes incertezas. Entretanto, os cases de sucesso, sempre meteóricos, alavancam um mercado em expansão. Sergipe, por exemplo, colocou-se no mapa recentemente, após o aporte de 2,5 milhões do fundo de Venture Capital Criatec 2 na fintech Paggcerto2.

A existência de um ecossistema não é garantia de sucesso de uma startup, assim como a existência de uma startup em estágio de tração ou mesmo um unicórnio (empresa com avaliação de mercado superior a um bilhão de dólares) não garante o sucesso do ecossistema. Há uma teia de conexões, muitas vezes não relacionadas que garantem o sucesso deste mercado ainda tão incipiente.

Num universo onde boa parte dos negócios começam sem nenhum investimento grande de capital (bootstrap) e com poucos sócios (dois terços das startups catalogadas possuem até cinco pessoas em seus times) e que metade é composta apenas por estes, resvala na estatística cruel de que a grande causa da mortalidade já dita advém de desentendimentos societários.

Sergipe desponta como um dos polos de inovação do país, porém disputa com outros já consolidados e próximos do aporte de capital (regiões Sudeste e Sul, por exemplo). Entretanto, iniciativas recentes da comunidade e apoiadas por instituições maiores, como é o caso do Inova+SE, podem alavancar o status do ecossistema sergipano para alçar voos maiores. Não existe receita de bolo, mas certamente há muito desejo e suor para que isto aconteça num horizonte breve.

 

Anterior Shopping Jardins presenteia clientes com sacola retornável
Próximo Vantagens de uma solução na nuvem para autoescolas

Não há comentário

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *