CNI: primeiro semestre foi difícil para a indústria


Foto: Gilson Abreu/FIEP

O balanço do primeiro semestre de 2016 foi bastante insatisfatório para o setor industrial. A constatação é resultado da pesquisa de Indicadores Industriais apresentada no dia 1º de agosto.  De janeiro a junho, a queda do faturamento real das indústrias ficou 11,5% menor que do mesmo período de 2015. Além disso, as horas trabalhadas caíram 9,6%, a massa real de salários diminuiu 9,9%, o rendimento médio do trabalhador recuou 0,8% e a capacidade industrial utilizada está 1,2 % menor que em junho de 2015.

No mês retrasado, os números melhoraram um pouco com relação a maio, mas ainda não dá pra comemorar. Em  comparação ao mês anterior, o faturamento cresceu 2%, as horas trabalhadas aumentaram 0,2% e a capacidade instalada aumento 0,3%, chegando a 77,4% do total. Ainda assim, persiste uma queda de 0,6% no emprego na indústria, sendo a 17ª queda consecutiva desse índice.

“A saída da crise e a retomada do crescimento da indústria e da economia dependem de ações e reformas que resgatem a confiança dos empresários e criem um ambiente mais propício aos investimentos, à produção e à criação de empregos”, avalia o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade.

De acordo com a Federação das Indústrias do Estado de Sergipe (Fies), esse é o pensamento de todo setor produtivo nacional. O segmento acredita que o governo apresente soluções para esse péssimo momento vivido pela indústria, devido à crise por qual passa o país e que os números comecem a melhorar.

Com informações da Fies

Anterior Imobiliárias inovam com prestação de serviços aos clientes
Próximo Aluno do Senai participará de competição internacional nos Emirados Árabes

Não há comentário

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *