Censo sobre mercado cervejeiro aponta que 70% das marcas tem até quatro anos de fundação


A expansão e o fortalecimento do mercado cervejeiro ficam a cada ano mais evidentes. Agora, os números comprovam isso. Um levantamento realizado pelo Sebrae, em parceria com a Associação Brasileira de Cerveja Artesanal (Abracerva) divulgado nesta terça-feira (15), deixou mais evidente a ascensão do segmento. Entre as informações que o 1º Censo das Cervejarias Independentes Brasileiras trouxe, uma delas chama a atenção: 70% das marcas que fizeram parte da pesquisa tem de um a quatro anos de fundação, o que mostra um mercado bastante jovem.

O levantamento foi realizado de abril a maio deste ano e ouviu 486 fontes entre fábricas, marcas ciganas (que terceirizam a produção) e brewpubs. O estudo afirmou a dominância masculina no setor, com 89% dos cervejeiros sendo homens, contra 11% mulheres. A idade média dos profissionais é de 39 anos (52%), com alto grau de escolaridade. Sobre as especializações no segmento, é possível perceber que os entrevistados buscam mais de um curso. Os procurados são: tecnologia de produção cervejeira (81%), estilos (44%) e sommelier de cerveja (42%).

Entre os estados que concentram o maior número de negócios estão Rio Grande do Sul (20%), São Paulo (18%) e Minas Gerais (14%). O Censo também revelou a importância dos bares especializados em cerveja artesanal para as marcas: 81% dos entrevistados afirmaram que seus produtos estão disponíveis nestes locais. A venda direta ao consumidor representa apenas 6%.

O Censo ainda informou que o enquadramento tributário que prevalece entre as cervejarias artesanais independentes é o Simples Nacional (82%).

Produção

Quanto à fabricação da bebida, o tipo (a estratégia) mais comum ainda é a produção em fábrica própria (67%). Em segundo lugar estão as ciganas (25%) e, por último, os brewpubs (8%). Em relação a capacidade máxima de produção mensal, 51% declararam ser capazes de produzir até 9.999 litros (até 10 mil). Atualmente, 41% das indústrias entrevistadas afirmaram fabricar de 1.000 a 4.999 (mil a 5 mil) litros ao mês.

Para Carlo Lapolli, presidente da Abracerva, a pesquisa é importante para dimensionar o mercado atual. “Para nós, quanto associação, é essencial entender e conhecer o segmento para podermos direcionar as ações e incentivos em prol da maioria. Somente desta forma é possível mantermos um crescimento saudável do setor”, afirma.

 

 

Fonte: Melz

Anterior Plenário aprova proposta que beneficia mulheres marisqueiras
Próximo Petrobras anuncia testes de produção em águas profundas em Sergipe para novembro 

Não há comentário

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *