Caixa pode operar 2018 sem capitalização do FGTS


Em nota conjunta nesta sexta-feira, 4 de maio, o Ministério da Fazenda e a Caixa Econômica Federal afirmaram que podem executar seu plano de negócios neste ano sem necessidade de recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), o banco estatal desistiu de acessar até 15 bilhões de reais de recursos para fortalecer a posição de capital, em acordo com o Ministério da Fazenda.

“A atual estrutura de capital permite, na avaliação do Ministério da Fazenda e do comando da Caixa, a execução do plano de negócios previsto para o ano, sem a necessidade de capitalização mediante a utilização do FGTS”, diz o comunicado.

Nas últimas semanas, a Caixa reduziu os juros do crédito imobiliário e o do capital de giro. O banco também liberou empréstimos para estados e municípios. Segundo a nota conjunta, tanto a Fazenda como o banco têm promovido medidas para adequar a estrutura de capital da empresa ao momento atual.

O comunicado reafirma o plano de negócios divulgado pelo Conselho de Administração da Caixa no começo do ano. A partir de 2019, o banco terá de cumprir exigências mais elevadas de segurança financeira e precisará deixar mais capital imobilizado (parado) para se adequar aos padrões internacionais.

De acordo com a Caixa, o banco venderá carteiras de crédito a outras instituições financeiras, emitirá instrumentos de dívida perpétua (tipo de mecanismo financeiro que aumenta o capital da instituição) no mercado internacional e poderá abrir mão de repassar os dividendos (parcela dos lucros que cabem aos acionistas) ao Tesouro Nacional para reinvesti-los no banco. O Conselho de Administração da Caixa é presidido pela secretária executiva do Ministério da Fazenda, Ana Paula Vescovi.

Segundo uma fonte familiarizada com a Caixa, na conversa com o Ministério da Fazenda houve consenso de que o banco recorrerá a outras iniciativas para sanar sua posição de capital, por meio de uso do próprio lucro para fortalecer o patrimônio, mas pode incluir também a redução do ritmo de algumas operações e a venda de alguns ativos e de carteiras de crédito.

Edital Eleições - FECOMERCIO 2018 04.05.18
Edital Eleições – FECOMERCIO 2018 04.05.18

Na contramão

Em janeiro, a Câmara dos Deputados autorizou o Conselho Curador do FGTS a comprar até 15 bilhões de reais em instrumentos de capital da Caixa.O banco inteiramente controlado pelo governo federal tem hoje o menor nível de capital dentre as grandes instituições financeiras do país, após vários anos ampliando fortemente o crédito num país em recessão, na contramão dos rivais.

Agências de classificação de risco, como a Fitch, têm alertado para a possibilidade de a Caixa ter que receber injeção de recursos do controlador para se adequar a regras de capital mais rígidas, previstas em Basileia III, que entram em vigor integralmente em 2019.

Dentre as várias iniciativas em discussão para melhorar seus níveis de capital, a Caixa tem considerado vender carteiras de crédito, desfazer-se parcialmente de alguns ativos e desacelerar as operações de crédito.

Em 2017, pela primeira vez em pelo menos mais de uma década, o estoque de empréstimos do banco fechou em queda. O movimento acontece quase simultâneo à reestruturação administrativa, envolvendo a troca de quatro vice-presidentes suspeitos de envolvimento em irregularidades investigadas em desdobramentos da operação Lava Jato.

Embora aprovado pela Câmara, o uso de recursos do Fundo para ajudar a Caixa não aconteceu de fato, em meio a um acordo para que só acontecesse após aval do Tribunal de Contas da União (TCU).

 

Fonte: Agência Reuters /EBC

 

Anterior Notas com ‘Lula Livre’ podem ser recusadas no comércio, mas aceitas pelo Banco Central
Próximo Governo Federal tenta cortes para frear tarifas de energia

Não há comentário

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *