Vídeo on Demand chega a US$ 352 milhões no Brasil


Ricardo Castanheira, da Motion Pictures, apresenta estudo no RioMarket |Foto: Meio e Mensagem

País tem maior receita do gênero da América Latina e é oitavo mercado do mundo, segundo estudo divulgado no Rio Market

Apesar de ser o maior mercado de vídeo on demand (VOD) da América Latina, o Brasil é o oitavo no mundo no segmento e ainda há um grande espaço para o desenvolvimento desta plataforma por aqui. Com uma receita estimada de US$ 352,3 milhões em 2016, o País viu o montante relativo a este serviço crescer 415% entre 2012 e este ano.

Os dados são parte do estudo “O Impacto Econômico do Setor Audiovisual Brasileiro”, desenvolvido pela consultoria Tendências com patrocínio da Motion Pictures e parceria do Sicav. Os resultados foram apresentados nesta sexta-feira, 07, durante o Rio Market, evento voltado ao audiovisual que integra o Festival do Rio e acontece até o dia 16.

Em mercados regulares a média de penetração do VOD é de 20% enquanto por aqui este índice ainda é de 11%. Mesmo assim, a penetração do vídeo on demand no Brasil é duas vezes maior que no México e três que na Argentina. “Os preços ficarão mais acessíveis com o tempo o que ajudará a contribuir com que novos públicos usem o serviço”, comentou Ricardo Castanheira, da Motion Pictures, na apresentação da pesquisa.

Avaliando o panorama geral do audiovisual, o estudo levantou ainda outros dados do setor como o grande desafio que o cinema tem para chegar a um número maior de habitantes. “Apesar do muito que tem sido feito, ainda há um fosso grande no Brasil. Cerca de 47% da população não tem em seu município uma sala de cinema”, observou Castanheira.

Ao comentar o tamanho do problema que é a pirataria, ele citou números alarmantes: existem mais de 400 websites de pirataria audiovisual voltados para o mercado brasileiro oferecendo mais de 13 mil títulos nacionais e estrangeiros; entre dezembro de 2015 e maio de 2016, eles receberam 1,7 bilhão de visitas. “Basta compararmos com o Netflix, o principal serviço de VOD no Brasil, que tem quatro milhões de assinantes, para vermos tamanho do que estes senhores tem na pirataria”, apontou.

Ancine também divulgou dados

A Agência Nacional do Cinema (Ancine) também apresentou esta semana dois estudos sobre o mercado audiovisual brasileiro. O primeiro deles consiste na atualização anual de seu “Estudo sobre Valor Adicionado pelo Setor Brasileiro”. Já o segundo apresenta uma análise sobre comércio exterior de serviços audiovisuais no Brasil. “Ambos os estudos revelam a força do setor audiovisual brasileiro, responsável por injetar R$ 24,5 bilhões na economia em 2014 e por movimentar US$ 1,74 bilhões entre importações e exportações de serviços audiovisuais em 2015”, comentou Manoel Rangel, presidente da entidade.

Ele informou ainda que o Brasil importou US$ 1,1 bilhão em licenciamento de direitos de conteúdos audiovisuais, contra a exportação de apenas US$ 81 milhões. “Isso confirma a necessidade de seguir investindo em mais filmes e séries brasileiras para ocupar o mercado interno e aumentar as vendas para o exterior”, concluiu.

Meio e Mensagem

 

Anterior Justiça determina bloqueio do Facebook por 24 horas
Próximo Empresa chinesa investe no desenvolvimento de pré-fabricados para edificações em Pecém

Não há comentário

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *